Melhorar a imunidade não impede o contágio nem cura as doenças, mas ajuda o organismo a enfrentar infecções provocadas por agentes virais. Essa afirmação é válida também para a infecção por COVID-19. O resultado que se pode esperar com a melhora da imunidade é otimizar a resposta imunológica e, com isso, potencializar o organismo para o combate às infecções, de modo geral. 

Existem diversas estratégias para reforçar o nosso sistema imune:

1) Hábitos saudáveis:

Alimentar-se de modo balanceado, ingerir bastante água, desenvolver atividades físicas moderadas, dormir pelo menos 6 horas por dia, praticar meditação, yoga, mindfulness, ou outros exercícios que tem por objetivo desacelerar o pensamento, e consequentemente baixar o nível de stress, assim como outros hábitos de vida saudáveis são fundamentais. 

2) Suplementação com probióticos:

Nosso corpo, e especialmente nosso intestino, abriga trilhões de bactérias benéficas que vivem em perfeita harmonia, ajudando-nos a digerir alimentos, eliminando toxinas, produzindo moléculas ativas e ensinando nosso sistema imunológico a nos proteger contra microrganismos nocivos. Alterações nas quantidades relativas à população e à diversidade microbiana intestinal podem romper as interações benéficas entre a microbiota e o hospedeiro (disbiose), apresentando um efeito direto na saúde humana. A disbiose associada à perda de diversidade de espécies foi correlacionada com doenças muito diversas, desde diarreia associada a antibióticos, até diabetes tipo 2 ou doenças infecciosas comuns, entre outras. Durante as últimas décadas, vários probióticos demonstraram prevenir e, ou diminuir a duração de infecções bacterianas ou virais.

3) Suplementação com vitaminas e sais minerais:

 Há evidencias que a suplementação com Vitamina A reduz morbidade e mortalidade em várias infecções como HIV, malária, sarampo, pneumonia associada a sarampo e diarreia. Resultados adversos durante infecções virais têm sido associados a baixos níveis de vitamina A. Essa hipótese foi explanada em recente revisão que propõe que a vitamina A deve ser considerada em pacientes portadores de COVID-19. A RDA (Recommended Dietary Allowance) é a diretriz que representa a meta diária de ingestão de nutrientes para indivíduos saudáveis. A da vitamina A é de 700 mcg/d para mulheres e 900 mcg/d para homens. Tais valores podem ser alcançados somente pela alimentação na maioria das pessoas. Em alguns casos, a suplementação pode ser necessária, com doses mais elevadas.

A Vitamina C (ácido ascórbico) pode reduzir a suscetibilidade do organismo a infecções do trato respiratório inferior sob certas condições, assim como exercer funções fisiológicas para diminuir os sintomas gripais, por sua ação anti-histamínica fraca. Estudos controlados em humanos relataram que havia incidência significantemente menor de pneumonia em grupos de pacientes suplementados com vitamina C. Em uma revisão sistemática, a ingestão de 1g/dia de ácido ascórbico reduziu a duração da gripe (8% para adultos e 14% para crianças). Os autores não recomendaram a suplementação de rotina devido à ausência de efeito na incidência dos resfriados e gripes. Entretanto, a gravidade da gripe foi reduzida com a utilização regular de vitamina C. A dose máxima de Vitamina C que o nosso organismo absorve é de 2 gramas ao dia.

A Vitamina D (colecalciferol) na resposta imune vem sendo amplamente estudada. Vários estudos mostram que o colecalciferol aumenta a expressão de peptídeos antibacterianos, contribuindo para melhor resposta imunológica do organismo. A relevância da vitamina D se baseia no aumento da evidência de que sua suplementação e restauração para valores normais em pacientes com infecção auxilia na sua recuperação, desta forma reduzindo os níveis de inflamação e melhora da ativação imunológica. Em indivíduos acima de 60 ano se observa maior prevalência de hipovitaminose D, com consequente comprometimento da resposta imune. A dose diária recomendada (RDA) é entre 600 a 800 UI. Baseado nas melhores referências disponíveis, a utilização de vitamina D entre 2.000 e 4.000UI/dia por via oral pode ser indicada para melhorar a imunidade, quando há menos exposição solar. Quando há hipovitaminose comprovada, a dose pode ser aumentada de acordo com a avaliação de um profissional competente.

O Zinco é um oligoelemento essencial determinante para manutenção da função imune. Embora o mecanismo de ação seja incerto, tem sido relatada atividade antiviral do zinco pela inibição da replicação viral em cultura de células. O zinco está presente em muitos alimentos, mas, mais em proteína animal. Portanto, os vegetarianos podem precisar de até 50% mais de zinco na dieta do que os não vegetarianos. A ingestão diária de zinco deve ser de 8 (mulheres) e de 11 (homens) miligramas. O nível máximo de ingestão de zinco é de 40 mg por dia. O Selênio durante infecções virais, espécies reativas de oxigênio e de nitrogênio (radicais livres) são abundantemente produzidas, o que sobrecarrega o sistema de defesa antioxidante e induz desequilíbrio redox (estresse oxidativo). Tal cenário proporciona e amplifica a replicação viral, desequilibrando a resposta imunológica. O selênio ocupa papel importante na defesa antioxidante do organismo e no grau de patogenicidade do vírus. A ingestão diária de selênio recomendada é de 55 microgramas, segundo a RDA. Selênio em doses mais elevadas (200 mcg) pode atuar como coadjuvante no tratamento de infecções, contudo, não podem ser utilizadas por tempo prolongado. O conteúdo de selênio, presente em vários alimentos como a castanha do Brasil, pode variar de um local para outro de cultivo. O consumo de 3 castanhas do Brasil (15g) corresponde a recomendação diária de ingestão sugerida recentemente. Outras fontes são peixes (sardinha, salmão), fígado de boi, farelo de arroz e farinha de trigo integral.

4) Extrato de Própolis

apresenta proteínas capazes de transformar e equilibrar o nosso sistema imunológico. Tudo isso sem contar os inúmeros benefícios antibacterianos e antifúngicos. Quando presente no organismo, essa substância é responsável por ativar as ações das respostas imunes, intensificando o trabalho dos receptores que atuam na produção de citocina — o grupo de moléculas responsáveis por emitir sinais entre as células do corpo humano.

5) Saúde emocional:

A capacidade do sistema imunológico de proteger o corpo em um determinado momento está muito ligada ao estado emocional. Todos os sistemas presentes no corpo atuam de forma conjunta, influenciando uns aos outros diante de cada situação vivenciada. Por exemplo, quando estamos emocionalmente bem nosso corpo funciona de maneira equilibrada. Por outro lado, quando estamos adoecidos ou somos submetidos a uma forte carga emocional, o organismo tende a produzir hormônios de forma descontrolada. Ansiedade, depressão e pânico são emoções capazes de prejudicar o sistema imunológico e dessa forma, podem ocorrer problemas como inflamações, infecções, dores musculares, disfunções cardiovasculares ou até mesmo o comprometimento da função de outros órgãos. Além do mais, a presença excessiva de cortisol torna o corpo resistente a ele, o que, por sua vez, pode ocasionar um estado crônico de inflamação. Isso compromete as funções do sistema imune, que se torna cada vez menos capaz de combater agentes externos como bactérias e vírus, Aumentar o equilíbrio e a proteção do corpo é uma tarefa que exige múltiplos esforços. Adotar uma rotina de hábitos saudáveis, como vimos acima e procurar ajuda psicoterápica profissional, sempre que possível, são excelentes recursos. Utilizar suplementos compostos por fitoterápicos e nutracêuticos específicos para controle da ansiedade, da falta de sono e adaptógenos, ajudam a aumentar a resistência física, reduzir os efeitos do estresse e, até melhorar o funcionamento cerebral. Além desses recursos temos também os medicamentos energéticos (florais e homeopatia) que podem ajudar, sem causar efeitos colaterais (vide artigo – Saúde Emocional – Florais de Bach: Como os Florais de Bach podem auxiliar no equilíbrio das emoções nesse atual momento – neste site). 

Bibliografia 

https://abran.org.br/2020/05/01/posicionamento-da-associacao-brasileira-de-nutrologia-abran-a-respeito-de-micronutrientes-e-probioticos-na-infeccao-por-covid-19/

Autores: Ana Lúcia dos Anjos Ferreira, Eline de Almeida Soriano, Isolda Prado de Negreiros Nogueira Maduro, Sandra Lúcia Fernandes e Simone Chaves de Miranda Silvestre, sancionados pela Associação Brasileira de Nutrologia. 

http://www.scielo.mec.pt/pdf/aps/v16n4/v16n4a12.pdf 

Strees – Análise Psicológica (1998), 4 (XVI): 675-690.    

https://psicoativo.com/2015/12/hans-selye-estresse-e-sindrome-de-adaptacao-geral.html

Hans Selye, estresse e Síndrome de Adaptação Geral

TESKE, M.; TRENTINI, A. M. M. Herbarium – Compêndio de Fitoterapia. Terceira edição. Curitiba: Ed. Herbarium Laboratório Botânico, 1995

Arq. Inst. Biol., São Paulo, v.72, n.3, p.405-411, jul./set., 2005

Pinto, L. M. A. Do Prado, N. R. T. De Carvalho, L. B. Revista Eletrônica de Farmácia Vol. VIII (3), 76 – 100, 2011